A vida é tão rara!

domingo, 4 de abril de 2010
Fui à Curitiba prestigiar uma pessoa que amo demais esse fim de semana, minha mãe. Minha mãe sempre foi uma mulher amorosa, sensível, frágil, companheira, altruísta, e muitas outras coisas. Acima de tudo minha mãe foi guerreira. Desde muito cedo buscou ser feliz, tudo que ela sempre quis era fazer com que quem estivesse a sua volta se sentisse bem. E, com toda a certeza, ela conseguiu e consegue isso o tempo todo. Às vezes de maneira até exagerada, mas sempre com muito amor, faz questão de servir a todos e dar o seu melhor. Muitas vezes não é uma qualidade que a ela própria agrada, pois percebe que, fazendo assim, deixa muito da sua própria felicidade em segundo plano, e se penaliza por isso, tentando ser quem não é. Tentando enrijecer-se, tentando criar uma crosta de defesa que não é dela. Tentando proteger a si mesmo, acaba machucando-se, pois no fundo o que a Dona Veronica quer é amar. Mas tem vezes que é duro mesmo.. amar e não se sentir amado, dá vontade de desistir né mamys linda? Não desiste, não! Você é tudo que é, você vale o tanto que vale por quem é e sempre foi. Olhe pra dentro do seu coração e sinta quem você precisa ser, porque o resto não importa. Eu acredito que uma das coisas mais difíceis na vida é olhar pra quem te ofende e, ao perceber que ama essa pessoa, perdoar. É difícil, pois carregamos um orgulho do tamanho do mundo, um orgulho tão grande quanto o tamanho do nosso coração, só que tem um problema nisso tudo... a gente tem que escolher qual a gente vai carregar na nossa vida: se é o orgulho ou o amor, os dois não andam juntos, não se deixam carregar juntos. E, nesse fim de semana, você escolheu qual você quer carregar, e eu estou muito muito muito feliz por você! Pois você foi a mais forte! Você foi nobre! E minha admiração por ti só cresceu mais, se é que isso é possível!

Eu costumo encaixar essa letra em várias coisas na minha vida, em várias situações, e acredito que seja por isso que simpatizo tanto por ela...

Lenine - Paciência

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

A vida não pára...





Feliz Aniversário Mãe! Parabéns pela sua nobreza, pela sua garra! O valor que há em você é raro!


1 comentários:

{ Rafael Zanatta } at: 4 de abril de 2010 20:26 disse...

Foi bacana esse final de semana. Valeu a pena estarmos lá.

 

outros ares

Tecnologia do Blogger.

você por aqui?

Ocorreu um erro neste gadget
 

© 2010 Prisci's thoughts