Dia do amigo.

terça-feira, 20 de julho de 2010
Hoje, 20 de julho, dia normal...

Talvez mais celebrado por alguns, poucos, por caracterizar um período de relaxamento, "férias", que separa em dois o árduo ano de trabalho (pra muitos), estudos, entre outras tarefas que não considero nem um, nem outro.
Mas claro que o nosso amigo capitalismo tratou de nomeá-lo, tratou de impor mais um significado, mais uma data comercial comemorativa: Dia do Amigo!

Não, eu não vou entrar nesse mérito, assunto chato. Não que eu ache o assunto capitalismo chato, na verdade eu compreendo-o muito escassamente e gostaria de compreendê-lo mais. O que eu acho chato é essa coisa de discutir o dia comemorativo como imposição de consumo. Embora eu concorde, e até acho que tem que ser discutido, só não será discutido por mim, não hoje.

Mas de uma forma bem sintética, sou otimista quanto ao assunto e acredito que há logo ali no fim do túnel uma luz que vá mostrar às pessoas que esse tipo de futilidade é uma futilidade.

O fato é que não vim pra falar disso, o consumo. Vim pra falar, no Dia do Amigo, dos meus sentimentos. Verdade que eu li em uma dessas frases rápidas do twitter uma passagem que gostei e, como há tempos não atualizava isto aqui, achei interessante escrever umas coisinhas.

Eu não gosto muito de falar de sentimentos no blog (sim, eu o faço mesmo assim, pois eu sou puro sentimento; nem sei onde eu guardo a minha razão, de vez em quando ela é que resolve aparecer), mas hoje eu estou com uma sensação tão gostosa, tão difícil de explicar, que eu resolvi tentar esboçar alguma coisa aqui, pra ver se eu chego a uma conclusão.





É muito provável que meu texto seja até confuso, porque, apesar de feliz (?), eu ando meio confusa. Aí é que está a grande mistura dos sentimentos que me fez colocar um ponto de interrogação logo acima.

Esse primeiro semestre de 2010 foi o primeiro semestre que eu realmente consegui aplicar um esforço merecido ao meu curso de História. (Não inteiramente satisfatório, mas merecido. Quanto mais se tem, mais se quer, não?) Ano passado até que eu tinha a disposição, mas trabalhava, o tempo que eu tinha não era o bastante. Nos dois primeiros anos era aquele esquema, estudava para a prova, não para a aula. Esse semestre consegui atingir um ponto do caminho interessante. Não estudei todos os textos com antecedência, mas consegui manter um nível de acompanhamento bem mais satisfatório. Um ponto que me fez encontrar um interesse quase que escondido pelo estudo da História, academicamente falando.

Então isso pode ter influenciado para o meu estado atual.

Outra coisa são as amizades que fiz e mantenho. Conheci pessoas maravilhosas ano passado, a Gi e a Dani, principalmente. Estas, que são minhas colegas de curso, me fizeram sentir algo que a muito tempo não sentia. Aquela amizade de colégio, sabe? Claro, com um nível diferente de maturidade. Eu tenho amigos muito bons dos dois primeiros anos de História (antes de trancar pra ir pra Londres), mas a Gi e a Dani recuperaram aquela intimidade de menina pra menina, agora mulher pra mulher, que há algum tempo não sentia. Elas estavam lá, ano passado e esse ano pra tudo. Chorar, rir, abraçar, desesperar-se, extasiar-se, e muitas coisas mais, não faltaram ao lado dessas meninas. Chegar ao fim do curso em seis meses com certeza vai doer, mas espero que seja uma dor que se prove desnecessária, pois não quero que sejam amigas do passado.

Outra coisa são as amizades que mantenho. De uma maneira diferente, porque a gente TEM MUITA COISA PRA FAZER. O grupo que chamamos de "xoxotas" (não, não fico vermelha de dizer, porque é um daqueles nomes que vc coloca num grupo e fala tanto que acaba não implicando significando impróprio). Babys, Larys, Vanes e Leli são pessoas que me ensinaram tanto, que me aguentaram tanto, que se divertiram comigo, que me divertiram e é tão bom tê-las, é tão precioso. Atulamente a gente parece aquelas amigas de chá, sabe? De vez em quando temos que inventar um café ou então ficamos anos sem nos ver. Hoje até andamos nas mesmas quadras, nos mesmos horários, mas não nos encontramos! Parece que o "Universo" não quer que aconteça (que Phoebe isso) - mas nós somos teimosas!!! Vamos marcar quantos cafés forem precisos.

Outra coisa foi o período de férias e família. Tomei a sábia decisão de ir viajar pra vê-los ao invés de estudar desesperadamente pro vestibular durante duas semanas. Foi tão bom! Primeiro fomos à Defesa de Doutorado da minha sogra, Márcia. Depois à festa de inauguração da casa do meu sogro, Odaça, em Umuarama. A seguir, visitar minha mãe em Balneário Camboriú, no meu aniversário. QUE FOI UMA DELÍCIA! Minha mãe, meus avós, minha tia Vera que me fez uma festa surpresa, meu irmão e o Rafa. Sexta-feira, voltei pra casa, sem pilha nenhuma pra fazer vestiba e foi legal, durante o fim de semana o Rafa estava fora e meu irmão e cunhadinha me fizeram companhia, muito lindo.

Agora estou aqui, comi um pastel na feira com meu pai e minha irmã, mais duas pessoas que têm um lugar absurdamente grande no meu coração.

E tem alguém aí no meio que é um dos grandes responsáveis pela minha alegria diária, de cada hora, minuto, segundo (...) do dia. Pô, se eu for escrever sobre o Rafa e o impacto que ele tem na minha vida eu fico aqui a noite inteira, o mês inteiro escrevendo(e eu vou parar no mês inteiro pra não ficar exagerada). Eu tenho liberdade pra escrever isso, porque eu sei que meus pais e amigos entendem que são sentimentos diferentes.



O Rafa é um desses caras que não se acha em qualquer canto, sabe? O Rafa é um desses caras raros no mundo que tem aquelas qualidades que duvida-se que um homem tem.

Esse vestibular que eu fiz, em Língua portuguesa, o tema era "O homem novo" - que caracterizava o homem que trabalha em casa, e fora, cuida dos filhos, preocupa-se com a aparência, ajuda a mulher em casa, etc. Isto significa, sim, que tem muito homem legal por aí. Mas é que eu vejo no Rafa qualidades diferentes, qualidades que me fazem sentir muito sortuda de ter um cara como ele.

Nem sei se ele vai gostar que eu to puxando tanto o saco dele assim, mas é necessário pra entender esse sentimento gostoso aqui dentro.

Ele é dono de uma paciência incrível, me ouve, ouve minhas neuras, conversa com sensibilidade, carinho, impõe-se com delicadeza, acata muitos desejos meus, dá o ombro pros meus choros, ri das minhas palhaçadas (muitas vezes toscas), entra no meu clima, dança comigo, ri comigo, inventa piadas e palavras pro nosso vocabulário particular de namorados, me faz comida, compra cervejas legais pensando em mim, me liga, me beija, me abraça, me busca aqui e ali, me corrige, me ajuda nas reflexões, divide suas reflexões comigo, me explica as coisas do mundo, me pergunta coisas do mundo, me acompanha. Enfim, já disse, se eu realmente quiser continuar com isso, as vírgulas vão longe!!!

Há dois dias atrás eu tive um desequilibriozinho, assim, pequeno, né? o.O
E acabamos discutindo por telefone.
Ele estava em SP até às 21:30, deste 20 de julho e, claro, já nos resolvemos. Os dois últimos dias pós-discussão foram de palavras gostosas e cuidado um com o outro.

Mas é assim que tem que ser. A cada dia eu me convenço de que não existe melhor pessoa pra estar ao meu lado e, modéstia a parte, me sinto uma companheira (perto do) ideal também. E é por isso que eu quero construir uma vida ao seu lado, Rafa.

Eu não sei... Não sei se é porque o Rafa tá voltando pra casa e amanha às 6h eu vou dar um super abraço de saudades nele. Não se é porque minha mãe tá super bem lá no litoral, ou porque o pessoal aqui em casa tá bem arranjado com a vida, ou porque eu to me descobrindo uma melhor estudante, ou porque o rafa foi super bem na prova dele, ou porque eu tenho ótimos amigos, ou porque eu tenho um namorado perfeito, ou porque tudo isso junto me faz perceber o quanto eu sou feliz. Ah, coloca isso tudo numa panela e mexe bem e serve pra o jantar em todas as noites da minha vida.

Enfim, muito interessante, você que leu até aqui. Obrigada! :)

Vou dormir faceira hoje, esperando a hora de acordar, ansiosa.




3 comentários:

{ Babi } at: 21 de julho de 2010 08:12 disse...

ei, eu já tinha deixado um comentário aqui hoje de manhã..
enfim, gostei o resumo da ópera e tudo o que você escreveu,de certo modo, não é novidade pra mim, porque você transparece essas linhas em absolutamente tudo o que faz seja pra família, para os amigos, pro namorado, enfim, pra vida, totis! :*

{ Lari } at: 21 de julho de 2010 12:47 disse...

eu nunca sei muito bem em qual blog seu entrar. aiuhahuaoiuhaoiuh
mas enfim, cade o blog das menines?!!?!?

{ prisci } at: 21 de julho de 2010 15:05 disse...

Eu não sei, também tentei entrar e não consegui.

Resposta: esse é o meu blog atual :) é que eu não posto muito :P

 

outros ares

Tecnologia do Blogger.

você por aqui?

Ocorreu um erro neste gadget
 

© 2010 Prisci's thoughts